CAMBOJA: O comércio e a promoção da igualdade de oportunidades entre géneros e a autonomização das mulheres e das raparigas

“A minha esperança é conseguir manter no futuro pelo menos o apoio dos compradores que me encomendam a seda e já me darei por feliz”.

Rin mantém o tear a rodar a um ritmo regular, ajustando com perícia o fio, com a sua saia em tons azuis e dourados recolhida sob o seu banco, e olha em redor com satisfação. Lá estão as amoreiras e os casulos armazenados. O cenário é diferente daquele que os seus avós enfrentaram quando começaram. “Há muitos aspetos que mudaram na minha família: a lenha, o transporte, os equipamentos agrícolas e as minhas próprias ferramentas”. Sob a casa de madeira suspensa, abrigada do calor do dia, a tecelagem rende 2000 dólares por ano e ajuda a desenvolver a exploração agrícola da família. Agora o sonho de Rin consiste em obter ajuda para conseguir novos padrões e técnicas que produzirão maiores retornos. “A minha esperança é conseguir manter no futuro pelo menos o apoio dos compradores que me encomendam a seda e já me darei por feliz”. O QIR agarrou esta oportunidade, apoiando 1500 tecelões e 14 exportadores em até cinco mercados. O projeto da seda de alto valor do QIR cumpre o objetivo mais vasto de autonomizar as mulheres e as raparigas proporcionando-lhes competências de alto nível na produção de seda. Um dos objetivos consiste em aumentar os rendimentos dos tecelões de seda em 200%, o que resultará em significativos benefícios a nível de desenvolvimento para as mulheres pobres como Rin das zonas rurais.